sábado, 2 de junho de 2018

O silêncio do almário!!!

                                                               Manuel Cargaleiro
Viver é uma arte!
Não há dúvida que as pessoas distinguem-se umas das outras pelo seu aspecto exterior. Uma verdade de Lápalice.
Porém, a personalidade de um indivíduo não acaba na sua imagem externa. Os homens também se diferenciam uns dos outros  por um segundo aspecto: o seu mundo interior. O que existe dentro das pessoas não é o mesmo nem em qualidade nem em quantidade. Nem todas as pessoas valem o mesmo por dentro. E em todas as almas acontece o mesmo que nos armários: há umas vazias e outras cheias, umas que guardam valor e outras que o não têm, umas que guardam preconceitos e outras que guardam fraternidade, umas que coleccionam vaidades e outras guardam humildade, umas que guardam Ciência e outras que guardam Sabedoria, umas guardam amor e outras frieza, umas guardam títulos e outras guardam amigos, umas só guardam trabalho outras  guardam momentos de amizade,  umas guardam snobismo e outras  simplicidade, umas que guardam sempre falta de tempo outras que guardam o tempo, há umas que guardam apenas as suas imperfeições e outras que guardam só as imperfeições dos outros, umas guardam luz divina e outras densidade da matéria. São estas as notas musicais da melodia da alma. Há melodias próximas de Deus outras que se encontram em desertos  longínquos de Deus.
O corpo do homem tem no seu interior uma intimidade.
Há pois um mundo interior que distingue os homens apesar do seu aspecto exterior.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

Silencio do vácuo!!!!


Estamos na era do jogo da aparência, do que se vende ao outro e do que fica bonito e útil. Também nas relações entre pessoas. 
Numa sociedade  em que tudo se descarta à velocidade de um clique, as relações entre pessoas também não escapam.  Todos são actores da sua própria vida e como todo o actor, desempenham vários tipos de papéis. 
Contudo, há pessoas em que o vazio grita nos ouvidos e perturba profundamente, mas funciona como um alerta para a alma mostrar o quanto estávamos distantes de nós mesmos, vivendo como autómatos.  Porém, o vazio não é falta de religião, nem de aventuras, nem de uma vida profissional intensa e bem sucedida, de intensas relações,  etc... Ela advém da combinação de dois factores: A falta de você mesmo e a supressão do seu impulso interior.
Seja você mesmo.
Por vezes é nas coisas simples e menos improváveis que nos reencontramos.
Já tinha pensado nisto?
Assim se exerce a amizade cumprimentando os amigos que não se esquecem.

domingo, 25 de março de 2018

Silêncio da escrita!


" Não devemos ver o mundo que nos rodeia apenas como matéria prima que nos permite fazer alguma coisa, mas tentemos descobrir nela a « caligrafia do Criador», a razão criadora e o amor que deu origem ao mundo e do qual todo o universo nos fala; consegui-lo-emos se estivermos atentos, se os nossos sentidos interiores despertarem e forem capazes de apreender as dimensões mais profundas da realidade."
                                                                                     Bento XVI

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Silêncio de uma forma!



Música da banda sonora do filme, Forma de Água, "You`ll Never Know". Esta é cantada por Michael Buble.
 A trilha sonora do filme é de Alexandre Desplat. A banda sonora é de se tirar o chapéu.
Afinal, existem seres humanos que não são pessoas e seres que não sendo não humanos,  são pessoas.
Quais são os limites do humano? O que é próprio de um humano? O que define ser pessoa?
Um filme diferente. Talvez para seres humanos que são pessoas.
Termino com o poema do filme.

Sem poder perceber a sua forma, eu vejo você à minha volta.
Sua presença me enche os olhos com seu amor
Acalma meu coração, porque você está em todo o lugar.

Assim se exerce a amizade cumprimentando os amigos.

domingo, 28 de janeiro de 2018

Silêncio do "Boi Mudo"

                                                              São Tomás de Aquino
                                                                       
" Mas eu não tenho vergonha de dizer que a minha razão é alimentada pelos meus sentidos; que devo muito do que penso ao que vejo, cheiro, provo e palpo; e que, para olhar as coisas de um ponto de vista racional, me sinto obrigado a considerar real esta realidade.(...) não creio que Deus quisesse que o homem exercesse unicamente essa espécie peculiar, elevada e abstracta de intelecto que tendes a fortuna de possuir; mas creio que há um campo intermédio de factos que são apresentados pelos sentidos, como matéria para a razão; e que nesse campo esta tem o direito de governar, como representante de Deus dentro do homem."
                                                                           S. T. Aquino


Nesta dualidade, alma versus razão ou razão versus paixão,  muitos autores escreveram tratados, ao longo da história da humanidade. Uns defendem que a paixão se deve subordinar à razão. Outros pelo contrário defendem que alma é o centro de tudo.
E nós o que pensamos acerca desta temática?
Toda a matéria é constituída por partículas ou substâncias simples. As substâncias simples fazem parte das substâncias compostas. Substâncias simples e compostas coexistem e circulam por a Natureza, entre o Céu e a Terra..
Na verdade, somos todos complexidade e unidade. Se somos todos unidade, e se tudo é uno, então:paixão e razão são a mesma coisa. A paixão vem da razão sendo uma faculdade da razão. Também a razão é paixão.
Afinal aquela centelha divina que habita em nós também é razão e paixão.
Assim, esta unidade e complexidade, também se expressa na nossa relação pessoal com o ambiente à nossa volta. Se somos todos unidade, esta unidade está presente em diversas substâncias, gerando compostos diversos que assentam na unidade. Por essa razão a nossa relação pessoal com o ambiente assenta também nesta unidade. É pois, esta unidade, que o representante de Deus dentro do homem,  nos remete para a obrigação a cuidar das relações, entre o ser humano e o ambiente natural.
Assim se exerce a amizade, cumprimentando os amigos.

sábado, 6 de janeiro de 2018

Silêncio dos Reis!!!





                                                                    G. K. Chesterton

" O objectivo de um ano novo não é que nós deveríamos ter um ano novo. É que nós deveríamos ter uma alma nova."
                                                                       Chesterton

A alma é um lugar recôndito do nosso ser no qual se cria pontes e permite saborear o prazer das nossas diferenças.
Assim se exerce a amizade cumprimentando os amigos .
Feliz Ano Novo!

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Silêncio da alma!!!

                                                                     Sónia Falcone
                                                                    As janelas da alma

" A enorme heresia moderna é alterar a alma humana para adaptá-la às condições impostas à vida, em vez de alterar as condições para adaptá-las à alma."
                                                                                                                      G K Chesterton